Cirurgias

O Oftalmos – Hospital da Visão procura proporcionar aos seus pacientes o que há de mais moderno na medicina dos olhos.
Confira aqui todos os procedimentos que oferecemos:

Se você está procurando um procedimento de cirurgia refrativa 100% a laser que seja preciso, seguro e confortável, ZLASIK é o procedimento ideal.

ZLASIK corrige sua visão usando laser do começo ao fim e sem corte, ou seja, sem que nenhuma lâmina toque os seus olhos. Com isso o risco de complicações é ainda mais reduzido em comparação com as técnicas anteriores. Além disso, a qualidade de visão pós-operatória é melhor do que com qualquer outro método.

INDICAÇÕES

– miopia;

– hipermetropia;

– astigmatismo;

– aberrações de alta ordem: visão noturna borrada.

COMO FUNCIONA?

Primeiramente, o laser Femtosegundo cria um flap fino, separando os tecidos em uma determinada profundidade da córnea, sem corte. Na sequência, outro laser, o excimer laser, realiza a correção da visão através da ablação do tecido da córnea de acordo com um padrão pré estabelecido e exclusivo para cada paciente. O flap é então colocado na sua posição original, sem vestígios de cirurgia no olho.

VANTAGENS DO ZLASIK

– Mais seguro

– Resultados mais rápidos

– Menos efeitos colaterais

CIRURGIA PERSONALIZADA

Antes, os oftalmologistas estavam limitados a poucas medidas básicas do olho. Na cirurgia personalizada, guiada pelo Idesing (WaveFront), o computador cria uma espécie de mapa em 3 dimensões extremamente detalhado da córnea do paciente, fornecendo uma “impressão digital” real do sistema visual completo e não só da forma da córnea. Antes da cirurgia, o excimer laser é programado com dados de discretas imperfeições (ditas aberrações) que estão presentes na superfície dos olhos do paciente e assim permitindo que o laser aja “esculpindo” a córnea de forma personalizada e bem mais precisa do que se considerasse apenas o grau do óculos, como acontece na cirurgia convencional.

 

Flap para Z-lasik

Laser de femtosegundo

Ao contrário da crença popular, a catarata não é uma película sobre o olho, mas um espessamento e endurecimento gradual do cristalino (lente que todos possuem dentro do olho), causando uma perda da transparência e assim fazendo com que a luz que entra no olho seja distorcida ou filtrada, causando uma visão progressivamente embaçada. Como resultado, tudo o que vemos começa a ficar turvo e as cores começam a ficar amareladas ou desbotadas, sem o brilho natural. Pode também causar dificuldade em caminhar sob o sol forte e halos podem começar a surgir ao redor das luzes à noite.

O Oftalmos Hospital da Visão comemora um salto tecnológico em seus procedimentos e possui na sua lista de procedimentos a cirurgia de catarata a laser, ou seja, cirurgia de catarata sem bisturi. Através do equipamento Femtosegundo (laser ultrarrápido), é possível realizar todas as incisões na córnea com uma precisão que antes era inatingível.

Com muita rapidez e confiabilidade, o laser Femtosegundo não produz cortes, mas sim uma separação de tecidos, permitindo ao cirurgião programar com precisão todas as etapas da cirurgia. Com essa tecnologia, o hospital oferece muito mais benefício em favor da saúde ocular dos seus pacientes. A recuperação é mais rápida, o que dá uma qualidade de visão melhor.

Após a cirurgia é possível até viver sem óculos! Graças à tecnologia hoje disponível, é possível diminuir ou eliminar o grau dos óculos para longe e para perto no ato da cirurgia de catarata.

TIPOS DE LENTES INTRAOCULARES

LENTES INTRAOCULARES MULTIFOCAIS

Em uma das pesquisas realizadas, constatou-se que 94% das pessoas que implantaram esta lente estavam muito satisfeitas e indicariam para um amigo. Tais lentes especiais, ditas premium, dão aos pacientes a capacidade de, por exemplo, dirigir enxergando bem o painel de instrumentos, ver a uma distância intermediária, como o carro à sua frente e enxergar bem de longe, como sinais de trânsito e obstáculos. Imediatamente após a cirurgia, alguns pacientes podem notar anéis ao redor de luzes em condições de pouca luz, condução, à noite. Esta experiência pode diminuir ou desaparecer ao longo do tempo conforme os olhos se ajustam à lente.

LENTES INTRAOCULARES TÓRICAS

Um dos mais recentes e mais significativos desenvolvimentos em implantes intraoculares foi o surgimento da lente tórica. Esta lente pode corrigir o astigmatismo pré-existente do paciente. O astigmatismo está presente em muitas pessoas e resulta em uma visão distorcida, borrada, que exige óculos para correção. Até recentemente, pouca coisa poderia ser feita para o astigmatismo presente após a cirurgia de catarata, além de óculos ou outra cirurgia complementar a laser. Com as lentes tóricas intraoculares agora disponíveis, é possível alcançar uma ótima qualidade de visão, sem a necessidade de óculos para corrigir o astigmatismo. Para a utilização destas lentes, são necessários cálculos realizados em programas de computador especiais, além do implante o mais preciso possível.

LENTES MONOFOCAIS

É o tipo de lente intraocular mais comum e ainda dá resultados visuais muito bons, principalmente se vierem com algumas qualidades, como asfericidade (correção da periferia, que dá imagens mais nítidas) e o filtro amarelo (que protege da luz nociva à retina). As lentes intra-oculares convencionais são esféricas, ou seja, a superfície frontal é curva. Já as lentes intraoculares asféricas, no entanto, são ligeiramente mais planas na periferia e são projetadas para fornecer melhor sensibilidade de contraste. Usar as lentes asféricas, ao invés das lentes intraoculares convencionais durante a cirurgia de catarata pode melhorar a visão após a cirurgia, diminuindo a ocorrência de halos, brilho e contraste reduzido, que são problemas comumente associados com a cirurgia de catarata e implante de lente intra-oculares.

Laser de femtosegundo

A cirurgia de catarata é muito comum em todo o mundo. O cirurgião realiza uma pequena incisão (corte) do lado da córnea, remove o cristalino opaco (que perdeu a transparência) com uma caneta especial que é ligada a um aparelho, o facoemulsificador, que utiliza ultrassom de forma suave para remover a catarata, e então uma lente artificial é implantada. Como a incisão mede apenas 2,2mm, não precisa de nenhum ponto no final da cirurgia!

Todo o procedimento dura em média 12 a 15 minutos e a anestesia é apenas local, associada a uma sedação leve. Ao fim da cirurgia pode ser colocado um oclusor ocular, que será usado apenas por algumas horas.

Após a cirurgia é possível até viver sem óculos! Graças à tecnologia hoje disponível, é possível diminuir ou eliminar o grau dos óculos para longe e para perto no ato da cirurgia de catarata.

TIPOS DE LENTES INTRAOCULARES

LENTES INTRAOCULARES MULTIFOCAIS

Em uma das pesquisas realizadas, constatou-se que 94% das pessoas que implantaram esta lente estavam muito satisfeitas e indicariam para um amigo. Tais lentes especiais, ditas premium, dão aos pacientes a capacidade de, por exemplo, dirigir enxergando bem o painel de instrumentos, ver a uma distância intermediária, como o carro à sua frente e enxergar bem de longe, como sinais de trânsito e obstáculos. Imediatamente após a cirurgia, alguns pacientes podem notar anéis ao redor de luzes em condições de pouca luz, condução, à noite. Esta experiência pode diminuir ou desaparecer ao longo do tempo conforme os olhos se ajustam à lente.

LENTES INTRAOCULARES TÓRICAS

Um dos mais recentes e mais significativos desenvolvimentos em implantes intraoculares foi o surgimento da lente tórica. Esta lente pode corrigir o astigmatismo pré-existente do paciente. O astigmatismo está presente em muitas pessoas e resulta em uma visão distorcida, borrada, que exige óculos para correção. Até recentemente, pouca coisa poderia ser feita para o astigmatismo presente após a cirurgia de catarata, além de óculos ou outra cirurgia complementar a laser. Com as lentes tóricas intraoculares agora disponíveis, é possível alcançar uma ótima qualidade de visão, sem a necessidade de óculos para corrigir o astigmatismo. Para a utilização destas lentes, são necessários cálculos realizados em programas de computador especiais, além do implante o mais preciso possível.

LENTES MONOFOCAIS

É o tipo de lente intraocular mais comum e ainda dá resultados visuais muito bons, principalmente se vierem com algumas qualidades, como asfericidade (correção da periferia, que dá imagens mais nítidas) e o filtro amarelo (que protege da luz nociva à retina). As lentes intra-oculares convencionais são esféricas, ou seja, a superfície frontal é curva. Já as lentes intraoculares asféricas, no entanto, são ligeiramente mais planas na periferia e são projetadas para fornecer melhor sensibilidade de contraste. Usar as lentes asféricas, ao invés das lentes intraoculares convencionais durante a cirurgia de catarata pode melhorar a visão após a cirurgia, diminuindo a ocorrência de halos, brilho e contraste reduzido, que são problemas comumente associados com a cirurgia de catarata e implante de lente intra-oculares.

Converse com seu médico e ele lhe explicará as vantagens e limitações de cada lente.

Técnica que consiste na remoção mecânica da camada mais superficial da córnea (epitélio) e subseqüente a aplicação dos feixes de laser. É realizada há quase 20 anos e também apresenta uma alta taxa de sucesso e previsibilidade.

Para corrigir o erro refrativo (miopia, hipermetropia, astigmatismo), o laser atua na córnea por menos de 1 minuto e todo o procedimento é indolor. O laser não penetra no olho para realizar a correção. No pós-operatório pode ocorrer algum desconforto que varia em cada pessoa e a visão se estabiliza após poucas semanas.

CIRURGIA PERSONALIZADA

Antes, os oftalmologistas estavam limitados a poucas medidas básicas do olho. Na cirurgia personalizada, guiada pelo Idesing (WaveFront), o computador cria uma espécie de mapa em 3 dimensões extremamente detalhado da córnea do paciente, fornecendo uma “impressão digital” real do sistema visual completo e não só da forma da córnea. Antes da cirurgia, o excimer laser é programado com dados de discretas imperfeições (ditas aberrações) que estão presentes na superfície dos olhos do paciente e assim permitindo que o laser aja “esculpindo” a córnea de forma personalizada e bem mais precisa do que se considerasse apenas o grau do óculos, como acontece na cirurgia convencional.

O ceratocone é uma doença não inflamatória do olho, no qual a córnea, que tem normalmente um contorno arredondado, acaba por se tornar progressivamente curva e mais fina até adquirir uma forma de cone, aumentando cada vez mais o grau do paciente e distorcendo a visão. As opções de tratamento para ceratocone se concentram em proporcionar maior resistência à córnea e também corrigir a visão distorcida.

Uma das técnicas que busca deter ou reduzir a progressão do ceratocone é o implante de anéis intraestromais. São estruturas pequenas e transparentes, feitas de fragmentos de acrílico e são inseridos dentro da córnea, através de uma técnica que permite a realização de dois pequenos “túneis” utilizando o laser de femtosegundo, o que facilita muito a inserção do anel. Os segmentos de anel aplanam a região central córnea e acabam por melhorar a visão do paciente. Estão indicados para corrigir a miopia e astigmatismo associados ao ceratocone.

Com o avanço da idade, a pele das pálpebras podem perder a elasticidade. A pálpebra superior pode apresentar pele em excesso e bolsas de gordura que, em graus elevados, podem prejudicar o campo de visão. A pálpebra inferior pode desenvolver bolsas de gordura salientes em volta dos olhos, deixando os olhos com aspecto envelhecido e cansado.

A Blefaroplastia é a cirurgia que visa melhorar a aparência e/ou função das pálpebras. Essa cirurgia plástica pode ter um resultado de grande impacto na busca pelo rosto mais jovem, pois elimina o ar de cansaço e tristeza que as bolsas de gordura abaixo dos olhos e as pálpebras caídas causam.

A cirurgia é realizada através de incisões localizadas nas linhas naturais das pálpebras superiores e logo abaixo dos cílios nas pálpebras inferiores. Após incisar a pele, o cirurgião separa a pele da musculatura e gordura subjacentes, retira os excessos de gordura das bolsas palpebrais e remove as áreas de músculo e pele flácidos. As incisões são suturadas com fios finos e delicados. A região das pálpebras apresenta um perfil de cicatrização muito favorável e as cicatrizes tendem a se tornar imperceptíveis após alguns meses.

Glaucoma é uma doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico e, como consequência, comprometimento visual. Se não for tratado adequadamente, pode levar à cegueira.

A Trabeculectomia é um procedimento cirúrgico para o tratamento do glaucoma e tem por finalidade produzir um canal de drenagem alternativo para aliviar o aumento da pressão intra-ocular. O canal é confeccionado no limbo (união entre a córnea e esclera) e permite a saída do humor aquoso da câmara anterior para fora do olho. O líquido fica acumulado em uma bolsa protegida pela conjuntiva e dali é absorvido.

O stent é um dispositivo implantado cirurgicamente para o controle do glaucoma, menos invasivo e mais previsível que a trabeculectomia. Estudos comparativos mostram que a pressão intraocular com o implante de stent é mais baixa nos três primeiros anos que a cirurgia de trabeculectomia tradicional. Além disso reduz a necessidade de medicamentos para o controle do glaucoma.

A Vitrectomia é a técnica cirúrgica utilizada para o tratamento das diversas doenças da retina, como o descolamento de retina, as complicações da retinopatia diabética, as doenças da mácula e outras. O primeiro passo da cirurgia é a remoção do vítreo de dentro do olho com um instrumento que corta o vítreo e o aspira ao mesmo tempo. Após, dependendo do tipo e da causa do descolamento ou da cirurgia em questão, vários outros instrumentos são introduzidos e procedimentos realizados como: excisão de tração, troca fluido-gasosa, injeção de óleo de silicone dentro do olho, e etc. Todos os procedimentos acima são usados a critério do cirurgião com o objetivo de facilitar e potencializar a reaplicação da retina.

O crosslinking de colágeno não é uma cura para o ceratocone. Desenvolvido na Technische Universität, em Dresden, Alemanha, o objetivo deste tratamento é deter ou desacelerar a progressão do ceratocone e, assim, evitar uma maior deterioração da visão e da necessidade de transplante de córnea.

A realização do crosslinking dura uma hora. Durante 30 minutos gotas do colírio de riboflavina são aplicados na córnea, para permitir uma boa penetração. A seguir, a luz ultravioleta é aplicada por mais 30 minutos, sempre com a instilação contínua da riboflavina. Este processo incrivelmente simples foi mostrado em estudos laboratoriais e clínicos para aumentar a quantidade de ligações cruzadas na córnea e assim fortalecê-la. Ao final do procedimento, coloca-se uma lente de contato terapêutica, que serve como um curativo para o paciente e pode ser removida pelo médico em 3 a 5 dias. Os pacientes podem continuar tendo necessidade de óculos ou lentes de contato, após o tratamento.

O estrabismo, popularmente conhecido como “vesgueira”, consiste em qualquer situação de desalinhamento dos olhos, que pode ser congênito, em que a criança já nasce com a doença, ou adquirido durante a vida. O estrabismo traz grandes problemas psicológicos e de socialização, sendo considerado por muitos uma patologia deformadora da face. Em crianças pode leva à “visão preguiçosa” se não detectado e tratado em tempo.

O objetivo do tratamento do estrabismo é melhorar o alinhamento ocular, permitindo que os olhos trabalhem juntos e em sintonia. O tratamento pode ser através de óculos, exercícios oculares, óculos especiais com prismas, cirurgia dos músculos extraoculares ou mesmo injeção de toxina botulínica no músculo. Pode ser realizado com anestesia geral ou até mesmo com anestesia local e sedação leve, opção mais recente de anestesia para esses pacientes.

Uma parte significativa dos pacientes com estrabismo já ouviram “isso não tem jeito” e desistiram do tratamento, no entanto pode ser operado em qualquer idade e o tratamento atual tem beneficiado muitos pacientes e os reabilitado para suas atividades.

A toxina botulínica é uma alternativa mais recente no tratamento para alguns casos de estrabismo. Trata-se de uma opção menos invasiva que a cirurgia, que é o método de tratamento convencional.

De aplicação segura e tempo de recuperação mais rápido, o Botox® em alguns casos específicos pode ser usado para a correção definitiva do estrabismo em crianças e em adultos com estrabismo paralítico.

O pterígio é um tecido carnoso que cresce sobre a córnea, não  infeccioso, mas pode alcançar um tamanho prejudicial à visão. O pterígio é mais freqüente em pessoas que passam muito tempo expostas à luz solar, sobretudo aos raios ultravioletas e a irritação crônica do olho devido a condições ambientais secas e poeira. A cirurgia de pterígio consiste na retirada desse tecido carnoso e, na maioria das vezes, após a retirada do tecido aplica-se um medicamento (mitomicina) que tenta minimizar a recidiva desse pterígio.

A injeção intravítrea consiste na administração de uma medicação dentro da cavidade vítrea, sendo essa via de administração usada normalmente para todas as doenças relacionadas à formação de vasos sanguíneos anômalos (novos vasos sanguíneos ruins) como Degeneração Macular Relacionada à Idade, Retinopatia Diabética, Tromboses e Glaucomas de causa vascular. Esses quadros evoluem para melhora após terapia com drogas Anti-VEGF (Avastin e Lucentis).

São lesões elevadas que possuem coloração avermelhada e um aspecto bem diferente da conjuntiva normal. Nessa cirurgia é realizada a exerese da tumoração e, dependendo da extensão da lesão, é feita ou não sutura e após se encaminha a amostra para análise anatomopatológica.

Os tumores, que podem ser malignos ou benignos, tem sua origem por fator genético, radiação solar, fatores alimentares, fumo, entre outros. A técnica cirúrgica para exerese de tumor de pálpebra é simples e consiste na retirada da tumoração e encaminhamento para análise do material coletado. Quando o tumor é bem vascularizado e apresenta um sangramento considerável faz-se necessária a cauterização dos vasos.

O entrópio é uma doença em que a pálpebra se vira sobre si mesma contra o globo ocular. Nesse caso, os cílios roçam o olho, o que pode acarretar uma ulceração e cicatrização da córnea. Já o ectrópio é uma doença em que a pálpebra se vira para fora e não entra em contato com o globo ocular. Nesse caso, as pálpebras são incapazes de se fechar corretamente e as lágrimas não se espalham pelo globo ocular. A causa mais freqüente é o envelhecimento, em que ocorre flacidez da pálpebra inferior, resultando em excesso de tecido palpebral. O tratamento cirúrgico consiste em uma ressecção com o intuito de provocar encurtamento palpebral e posterior reposicionamento da margem palpebral.

O plug é uma das formas utilizadas para auxiliar no fechamento do canal lacrimal dos pacientes que apresentam “olho seco”, e não conseguem aproveitar a pequena quantidade de lágrima que produzem. Os plugs podem ser colocados nos orifícios dos dois canais lacrimais superiores e inferiores em um ou ambos os olhos e podem ser temporários ou permanentes. Consiste em uma técnica simples e rápida.

Procedimento em que se faz necessário desobstruir o canal lacrimal mecanicamente, através da passagem de uma sonda fina de metal por toda a via lacrimal. É feita uma exploração dos canalículos com a sonda e a irrigação da via lacrimal com soro fisiológico em alta pressão, que visa a desobstrução do canal lacrimal.

A obstrução do ponto lacrimal pode ocorrer por causas variadas e sua correção é feita através de procedimento cirúrgico para reconstituir a via natural de drenagem da lágrima. Esse procedimento consiste basicamente na ressecção do tecido mucoso que está recobrindo o ponto, na abertura e sutura anatômica do mesmo.

PROCEDIMENTOS

Indicado para pessoas que apresentam doenças que afetam os vasos sanguíneos do olho, como ocorre nos diabéticos. Pacientes que apresentam degenerações periféricas ou roturas na retina predisponentes ao descolamento de retina também necessitam desse tratamento.

Após a cirurgia de catarata, pode ocorrer uma cicatrização exacerbada na membrana que apoia a lente intraocular implantada. Isso causa uma opacidade atrás da lente intraocular e é necessário uma limpeza da lente. A capsulotomia com yag laser faz essa limpeza, que ocorre em poucos minutos em um procedimento não invasivo, indolor, com elevada taxa de sucesso e baixo risco de complicações.

A iridectomia é uma perfuração na periferia da íris que tem como objetivo permitir a passagem direta do humor aquoso da câmara posterior para a câmara anterior. Está indicada em glaucomas de ângulo fechado, nos quais o humor aquoso fica retido na câmara posterior favorecendo o bloqueio do sistema de drenagem pela íris.

A trabeculoplastia é um método eficaz no tratamento do glaucoma primário de ângulo aberto considerado não invasivo, apresentando efeitos adversos e efeitos colaterais menores que os demais procedimentos cirúrgicos. A trabeculoplastia realizada com o laser de argônio é a técnica mais utilizada e mais estudada da atualidade. Nesta cirurgia a laser, há a drenagem do fluído para fora do olho, onde alguns pacientes precisam continuar tomando os medicamentos mesmo depois do procedimento para efetivar os resultados. Assim como outras cirurgias, a trabeculoplastia a laser pode causar efeitos colaterais, como a inflamação.

CONVÊNIOS